CHAMADA PARA DOSSIÊ: DISCURSOS EM TEMPOS DE PANDEMIA: CIDADANIA, EDUCAÇÃO E LINGUAGEM EM COLAPSO

15-08-2020
CHAMADA PARA DOSSIÊ: DISCURSOS EM TEMPOS DE PANDEMIA: CIDADANIA, EDUCAÇÃO E LINGUAGEM EM COLAPSO PRAZO PARA SUBMISSÃO: 30 DE OUTUBRO DE 2020 ORGANIZADORES: Prof. Dr. Marcos Rogério Martins Costa (UnB) Profa. Dra. Roseli Gimenes (Unip) Entre 2016 e 2019, em meio a uma onda ultraconservadora, que promove discursos de ódio e furor, diferentes setores sociais são afetados no Brasil e no mundo. Então, em 2020, o mundo é sacudido por uma pandemia que aprofunda, desvela e potencializa as mazelas já existentes, bem como intensifica a criação de outras. A comunidade científica não pode ficar inerte, como não permaneceu. Diversos estudos e linhas de pesquisa têm se lançado a enfrentar tanto as ondas ultraconservadoras, tanto quanto às consequências indeléveis de um “novo normal” para o qual ninguém estava preparado. Pensando nesse panorama e em estudos recentes que tentam compreender os tempos de pandemia e os discursos que neles se avizinham e podem, em médio e longo prazo, trazer dilemas e contrassensos, esta edição da revista Brazilian Journal of Policy and Development (BRJPD) propõe um dossiê que objetiva incentivar a discussão de três principais campos que entraram em colapso: a cidadania, a educação e a linguagem. Em 2017, Mário Sérgio Cortella e Marcelo Tas lançaram a obra Basta de cidadania obscena!, na qual defendiam que sujeito com deveres e direitos individuais que trabalha para o bem coletivo definido como “cidadão” não é mais praticado como deveria, uma vez que a cidadania ainda continua obscura, isto é, não entrou em cena, de fato, no Brasil, dada sua relativa juventude – já que existe desde 1988, quando é promulgada a Constituição Cidadã – e por diversos outros motivos. O que há, segundo os dois pensadores, é uma cidadania que não deveria ser mostrada – daí ser obscena –, porque é cercada de vaidades, orgulhos, corrupções e projetos que não se alinham aos ideais do bem comum que deveriam estar associados a res publica. A educação brasileira também não se encontra nos seus melhores momentos. Segundo a Unesco, jovens e crianças foram afetados pela suspensão das aulas em escolas e universidades, atingindo mais de um bilhão de estudantes em todo o mundo. Nem a língua e a linguagem escapam do colapso. Com a pandemia de Covid-19, muitas tribos indígenas estão sendo exterminadas e, junto com o luto de seus membros, as línguas dos diversos e distintos troncos linguísticos vão sendo extintas, pois a tradição é oral e poucos registros escritos, formais ou informais, existem acerca dessas línguas. Perde-se, assim, toda uma riqueza cultural, linguística e social. Nas redes sociais, por sua vez, lançam-se notícias infundadas e fake news, deslindando, dessa forma, uma rede de desinformação que a cada novo clique se agiganta. Todas essas reflexões ganham lugar nesse dossiê, cujo principal objetivo é construir um momento de convergência de estudos de diversos e distintos campos que possam auxiliar na construção de um horizonte reflexivo e crítico, que compreenda as incertezas e os questionamentos que nos motivam em nossas experimentações como pesquisadores e seres humanos. Delimitação da abrangência dos artigos a ser submetidos: Fake News e sociedade da desinformação Cidadania e políticas públicas em tempo de pandemia Consequências da pandemia na sociedade capitalista contemporânea Discursos de ódio e estudos da linguagem Administração pública e gestão pública durante a pandemia de Covid-19 Educação Básica e Educação Superior afetadas pela suspensão das aulas Línguas indígenas e pandemia de Covid-19 PRAZO PARA SUBMISSÃO: 30 DE OUTUBRO DE 2020 AS SUBMISSÕES DEVEM SER REALIZADAS DIRETAMENTO NO SITE DA REVISTA E DEVEM RESPEITAR AS DIRETRIZES PARA AUTORES. NO MOMENTO DA SUBMISSÃO, MARCAR A SEÇÃO "DOSSIÊ", NA PÁGINA INICIAL DA SUBMISSÃO.   Mini Curriculum do(s) organizador(es): Marcos Rogério Martins Costa (UnB) Doutor e Mestre em Letras pelo programa de pós-graduação em Semiótica e Linguística geral da FFLCH-USP; Graduação em Letras (bacharelado e licenciatura), nas habilitações de Português e Linguística pela Universidade de São Paulo. É atualmente Professor Substituto no Instituto de Letras da Universidade de Brasília (UnB) e Revisor de ABNT da Universidade Aberta do Brasil, lotado no Centro de Educação a Distância da UnB. Membro da Academia Contemporânea de Letras (ACL), ocupando a cadeira 21, cujo patrono é Érico Veríssimo e do Grupo de Estudos Linguísticos do Estado de São Paulo - GEL, desde 2010. Possui experiência em Língua Portuguesa, Linguística Geral, Semiótica, Análise do Discurso (AD-Francesa) e Estudos do Círculo de Bakhtin. Suas outras áreas de interesse são Ciências da Linguagem, Modelos de Ensino e Aprendizagem e Novas Mídias. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-4627-9989 Lattes: http://lattes.cnpq.br/1948149291517472 E-mail: marcosrmcosta15@gmail.com Roseli Gimenes (Unip) Doutora em Tecnologias da Inteligência e Design Digital- Processos Cognitivos e ambientes digitais - (TIDD PUC/SP). Pós Doutoramento em Comunicação e Semiótica (COS PUC/SP) com a pesquisa "Inteligência Libidinal". Mestre em Comunicação e Semiótica - Literaturas - (COS PUC/SP). Especialista em Grande Serão Veredas, de Guimarães Rosa (USJT). Especialista em Magistério no Ensino Superior (PUCSP). Bacharel e Licenciada em Letras. Coordenadora do curso de Letras da Universidade Paulista-UNIP Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Literatura Brasileira, atuando principalmente nos seguintes temas: literatura e psicanálise(Rosa e Lacan), psicanálise e cinema (Lacan e Almodóvar) e literatura nas redes sociais de acordo com preceitos do TIDD da PUC/SP. Participa do Café Lacaniano sob coordenação dos psicanalistas Fani Hisgail e Oscar Cesarotto. Participa da Associação livre SP. Participa do Conexão Ação Lacan sob coordenação da psicanalista Blanca Muscahi. Membro do Forum Regional Oeste de Educação Inclusiva, de seu Conselho Editorial e Revisora da Revista Educação em Movimento do Forum Permanente de Educação Inclusiva, Região Oeste - FOEI Foi membro do CESPUC - Centro de estudos em Semiótica e Psicanálise da Pucsp. Foi membro da Associação Brasileira de Semiótica. Colaborou na revista virtual www.arscientia.com.br em que escreveu regularmente e da qual foi Membro do Conselho Editorial. Colabora nas revistas virtuais: www.novaE e Prometeica. Professora convidada no COGEAE da PUC-SP. Publica contos e poemas regularmente pela Scortecci , Vivara e Patuá. Professora aposentada de Língua Portuguesa da Rede Pública de Ensino do Estado de S.Paulo. Publicou pela Hacker/Pucsp (1996) e depois pela Scortecci(2006 2a.ed) a obra A menina de Lacan:um conto Rosa; também pela Scortecci (2010) publicou Psicanálise e Cinema.O cinema de Almodóvar sob um olhar lacaniamente perverso. Publicou a 2a.ed de Psicanálise e cinema, pela Scortecci, em 2012.Em 2017, pela Editora Scortecci, publicou o livro: Literatura brasileira do átomo ao bit. Membro e Líder do Grupo de Pesquisa: Encontros Interculturais na EAD Narrativas de vidas dos diferentes Brasis. Membro do grupo de pesquisa Diversidade e inclusão em práticas sociais. (ambos UNIP e CNPQ) Faz parte da Comissão Editorial da Revista Scitis da UNIP Interativa de quem é também parecerista. Revisora de Língua Portuguesa das revistas da Puc, Galáxias e Teccogs; além de parecerista da também revista da Puc Fronteiraz. Coordenadora do Projeto Cultura em Foco do Instituto Lego. C.V. Lattes: http://lattes.cnpq.br/4055812149930289  E-mail: roseligi@icloud.com